The Office é uma série americana lançada em 2005 de humor estilo Mockmentary (documentário zoeira) que acompanha o dia-a-dia de um escritório de papel em uma cidade pequena – o cenário mais improvável do mundo para algo divertido. Os cenários, os figurinos e até os atores são os mais reais possíveis. Tédio, falta de noção, preconceitos e conflitos são abordados com uma naturalidade fora do comum e humor tão sarcástico que levam um tempo para ser compreendidos.

Mas, depois que você entende cada personagem, é impossível não ficar perdidamente apaixonado pela série, que é a comédia mais assistida do mundo, inclusive mais que Friends (Oh, my God!).

Por que a primeira temporada não conta?

Apesar de ter alguns momentos memoráveis, se você avalia The Office com base na primeira temporada, está fazendo errado. Em 2005 quando foi lançada, a série se baseava muito na versão britânica de humor vergonha alheia. O chefe Michael Scott, interpretado por Steve Carrel, era para ser apenas desprezível e sem um pingo de caráter. O estilo não conquistou os americanos, a audiência ODIOU e a série quase foi cancelada.

#CANCELADA

Segundo o podcast An Oral History of The Office, apresentado por Brian Baymgartner (o Kevin), o executivo da NBC, Kevin Reilly, teve que lutar muito para a série não ser cancelada. Ele recebeu uma chance apenas porque Steve Carrel estava começando a fazer muito sucesso no cinema com o filme O Virgem de 40 anos.

The Office foi renovado para uma segunda temporada com mais seis episódios, mas eles precisariam fazer pela metade do preço e tornar Michael Scott um personagem melhor e mais amável.

Agora vai!

Diferente da série britânica, onde o chefe era apenas horrível e não evoluía como pessoa, na americana Michael Scott foi aprendendo e crescendo. Isso foi a grande salvação da série.

Michael Scott continuou sendo inapropriado, despreparado, sem noção… Meu Deus, como ele conseguiu esse cargo? Nunca vou entender. Mas ele foi evoluindo a cada episódio e conseguindo conquistar o coração das pessoas. Mas a série não é só sobre ele. É sobre todos os personagens desse escritório.

Politicamente Incorreto ou uma baita crítica?

A série traz momentos tão politicamente incorretos e constrangedores de uma forma totalmente diferente. Se Michael faz uma piada machista, por exemplo, a série sempre vai mostrar a mulher nitidamente incomodada com a situação. Ao invés de apenas reforçar estereótipos, The Office mostra o lado constrangido pela piada de mau gosto, permitindo uma análise crítica das situações inconvenientes que os personagens passam e deixando explícito o quão ridícula a piada foi.

Ou seja: ao invés de mostrar a piada machista e rir dela, a série mostra o machista fazendo a piada e sendo visto como SEM NOÇÃO e besta pelas pessoas ao redor dele. E a gente ri da falta de noção enquanto os personagens vão aprendendo e evoluíndo.

Amizade, Romance e Personagens Peculiares

Além de histórias improváveis de amizade, The Office tem uma das histórias mais reais e LINDAS de romance. Pau a pau com Mônica e Chandler, juro!

Mas além de fazer várias críticas sociais, trazer muitas referências externas e lançar vários atores incríveis, The Office vai te fazer rir e chorar. Meu marido cansou de me ouvir rindo alto na sala por causa da série. E agora compartilho com vocês uma vitória: finalmente eu o convenci de assistir além da primeira temporada e ele está amando! Espero ter convencido você também com esse post.

Meu personagem preferido é o Dwight, interpretado por Rain Wilson. Ele é o mais metódico, literal, esquisito e apaixonado pelo trabalho. E o seu, qual é?

Share:
Written by Thaisa Dalmut
Designer e Diretora de Arte, sou apaixonada por plantas, moda, decoração, viagens... essa miscelânea linda que compõe minha felicidade. Vivo buscando novas inspirações e acredito que somos capazes de aprender e fazer tudo que realmente quisermos.